Carecas namoro

Agradeçam por poderem terminar um namoro

2020.10.14 03:54 _-addicted-_ Agradeçam por poderem terminar um namoro

Terminei um namoro com uma pessoa que gostei bastante, fiquei muito tempo mal por isso.
Hoje, conversando com uma instrutora de exercícios que faço, percebi que tive sorte de poder terminar um namoro.
Ela me contou do namorado de 6 anos que ela teve. Ele morreu de câncer 1 ano após descobri-lo. Contou porque faz um ano que ele faleceu.
Fiquei muito triste por ela. Fui ver seu Instagram e é de dar dó. Chorei vendo aquilo. Uma série de fotos com ele careca e ela pedindo oração para ele em cada foto. Dizendo que o ama em cada foto. De repente, são só stories de fundo preto e músicas tristes.
Percebi que tenho sorte de poder voluntariamente me afastar de uma pessoa. Agora só me vem em mente o quão doloroso deve ser perder alguém enquanto o ama.
submitted by _-addicted-_ to desabafos [link] [comments]


2020.09.07 04:46 CraftedBot Oi pessoal, preciso desabafar

Oi pessoal, sei que o grupo não é muito ativo e que ninguém aqui deve se importar comigo. Mas aconteceu algo muito pesado comigo essa semana e esse grupo é o único lugar em que eu sinto que posso desabafar e ser ouvido sem que me julguem. Eu e minha namorada namoramos há quase dois anos e em todo esse tempo quando ficamos juntos é na minha casa ou em qualquer outro lugar, exceto a casa dela. O pai dela me despreza. A primeira vez que nos conhecemos ele foi legal e simpático, até que perguntou o que eu fazia da vida. Estudo ciências sociais na USP, quando eu disse isso ele fechou a cara na hora e mudou de assunto. A família deles é bem humilde, o pai dela tem um barzinho/restaurante onde toda a família trabalha, exceto minha namorada, que é a filha mais nova e foi a “escolhida” pra ser “alguém na vida”, então o pai dela é bastante protetor. Depois da revelação de minha carreira acadêmica a janta mudou, a conversa continuou em outros assuntos, mas eu fui completamente excluído dela, a única pessoa que tentava me trazer pro assunto era minha namorada, mas a mãe o pai e os irmãos dela me ignoravam completamente. Quando cheguei em casa ela me mandou uma mensagem dizendo que o pai dela tinha mandado ela terminar comigo, falando que eu era vagabundo, não prestava e ia só atrapalhar na vida dela. Ela cursa direito e pra família dela eu sou um peso que ela vai ter que sustentar. Isso foi no primeiro mês de namoro, eu estava completamente apaixonado por ela (e ainda estou) e disposto a enfrentar qualquer adversidade para que o nosso namoro seguisse. O único dia que o restaurante deles não abre é domingo, então fui lá logo na outra semana pra resolver qualquer desentendido. Quando cheguei a família toda estava vendo Faustão, inclusive as namoradas dos irmãos e ninguém quis conversa comigo, sequer levantaram do sofá para me cumprimentar. Não quis atrapalhar o programa então eu e minha namorada fomos para o quarto esperar uma situação mais propícia para o diálogo. Mal havíamos fechado a porta e vem o pai dela batendo com tudo na porta e escancarando ela (ele não é alto, mas é daqueles carecas gordinhos com cara de brabo que quando vestem regata, bermuda e havaianas ficam parecem um botijão gigante.) ele começa a gritar que não queria porta fechada nem vadiagem na casa dele e deu um discurso cheio de indiretas me chamando de vagabundo e praticamente me expulsando da casa deles. Não fui embora. Ficamos estudando e de quando em quando o pai ou um dos irmãos ia ver o que estávamos fazendo. Diversas situações similares foram acontecendo até que decidimos que era melhor desistir e evitar a família dela. Fomos assim por mais de um ano. Nesse tempo eu fui estudando mais sobre o agronegócio e a indústria da carne e decidi virar vegetariano em junho do ano passado. Conversamos bastante sobre isso e ela sempre foi muito interessada, até que semana retrasada ela decidiu virar vegetariana também. Ela, é claro, não contou pra família dela porque medo de que iriam surtar, mas convenci ela que se abrir pra eles seria a melhor coisa, que eles iriam entender e que eu poderia ir com ela. Esse foi meu erro. Ela achou legal de fazer a revelação no restaurante da família, servindo um prato vegetariano pra mostrar que é fácil e possível. Como eu já disse, o restaurante é bem simples, o buffet é basicamente arroz, feijão, batata frita, bife e umas saladinhas (por saladinhas entenda alface, tomate e de quando em quando salada de batata). Quando saímos da faculdade fiz questão de pedir um Uber pra gente chegar no restaurante mais rápido enquanto o pai dela não tá no horário de descanso (ele dorme numa rede nos fundos do bar). Chegamos lá perto da uma da tarde. Era quarta feira e o lugar estava bastante movimentado. O irmão dela, que fica no caixa, deu um sorriso quando entramos, mas desfez logo que viu que a irmã trouxe o namorado. Minha namorada vai pro caixa falar com o irmão dela e diz pra eu já ir me servindo e procurar um lugar. Eu to bastante nervoso e me arrependendo desde que vi a cara que o irmão fez ao me ver, mas me sirvo mesmo assim. Já estou com o prato servido e vou até ela, agora atrás do caixa falando com o pai e com a mãe, paro, os pais dela me olham, meu sogro com a cara fechada sequer acena com a cabeça pra mim. Minha namorada faz um sinal com a mão me chamando. Vou até ela, ficando desconfortavelmente próximo do pai dela. Ela pega a minha mão, eu fico segurando o prato com uma só e diz: “Eu decidi virar vegetariana”. Ela sequer havia terminado a frase, bastou o pai dela ouvir “virar vegetariana” que ele virou a cabeça com uma velocidade descomunal em minha direção, mas ele não olhou pra mim, como eu pensei que faria, estava olhando pro meu prato. Arroz, feijão, alface, batata frita e nada de carne. Eu olho pro prato também percebendo agora meu erro e quando ergo a vista ele me encara com aqueles olhos furiosos. Não fui capaz de absorver inteiramente o quanto de ódio existiam naqueles olhos, porque ele deu um tapa no meu prato de baixo pra cima, sujando minha camiseta azul celeste do Carl Sagan de feijão e interrompendo qualquer raciocínio que corria pela minha mente. O prato estraçalhou no chão e antes que o quebrar do vidro pudesse irromper pelo restaurante e o burburinho dos clientes fizesse perceber-se silenciado meu sogro já estava gritando. “TU FEZ ISSO COM ELA!” “ESTRAGOU MINHA FILHA!” ele me dá um empurrão contra o balcão, minha namorada recua assustada, eu tento sair pelo lado, mas ele bloqueia o caminho, minha namorada chorando tenta segurar ele, mas minha sogra a segura mais forte. “VAI JOGAR NO LIXO O ESFORÇO DA MINHA VIDA TODA! SEU MARGINAL!” Eu tava bem passivo até que ele falou isso, ele não sabe quem eu sou, só tem preconceitos contra mim. Não sabe o quanto eu amo a filha dele e o quanto só quero o melhor pra ela. Eu já tinha tentado expressar isso no diálogo, agora ia ser na porrada, sem palavras, só sangue. Dou um empurrão com toda minha força e na fresta de tempo que abre eu pulo o balcão pra ter mais espaço para brigar, já enquanto pulava vejo uns tiozinhos numa mesa, sob ela uma litrão de Skol que eu penso em usar como arma. Pulo o balcão, pego a garrafa, enquanto isso ele veio dando a volta no balcão que nem um touro pra me pegar. Segurando a garrafa pela boca eu bato ela na mesa, o vidro se quebra e eu ergo a ponta estraçalhada e afiada diante de mim, pronto para defender minha honra e a de minha amada daquele botijão colossal. Com a garrafa diante de mim e a criatura se aproximando eu olho por um instante para o vidro amarelado que seguro em minhas mãos. Vejo, no reflexo, a entrada do restaurante atrás de mim, e passando rápido pela rua o que parecia ser uma aeronave pequena não tripulada, logo atrás uma espécie de exoesqueleto metálico armado com uma metralhadora, de repente, um estrondo ensurdecedor seguido de um clarão. Era o início da era das máquinas.
submitted by CraftedBot to copypastabr [link] [comments]


2018.01.13 02:52 lucius1309 Estrelas

Eu tô ficando velho, caralho. E isso não é papo de adolescente que se sente super maduro, ou de pseudo adulto que se acha super responsável por pagar meia dúzia de boletos, ou se acha caseiro por ficar assistindo Netflix em casa ao invés de ir pra balada. Não é isso.
Eu tô hoje com meus 27 anos, é uma idade icônica, vários famosos do mundo da música morreram nessa idade, eu achava que ia morrer também, mas então resolvi parar de pegar REALMENTE pesado com a minha vida, e tendo isso em vista, a não ser que eu seja atropelado por um caminhão ou um ônibus, ou que leve um tiro numa tentativa de assalto, ou caia da varanda do décimo terceiro andar de um prédio, a não ser que essas coisinhas aconteçam, eu vou viver mais um ano. E talvez mais dez, ou mais cinquenta. Não sei. E não acho ruim.
Não me acho necessariamente velho no RG, acho que tô numa idade bacana, até porque dizem que o auge do homem é entre os 30-40 anos, se for pensar assim eu ainda nem cheguei no auge, mas sei lá, eu me sinto cansado. Tipo, mentalmente cansado. Parece que todos meus problemas foram acumulando da infância pra cá e agora eu tô com esse monte de troço pra resolver, e só agora com 27 que peguei pra começar a resolver. Mas é que nem jogar tetris já com o muro lá no alto: cê resolve uma linha, mas tem uma par ainda pra limpar, e os blocos continuam caindo sem parar, e tudo vai se acumulando, aí vem o desespero e eu começo a ficar ansioso e quando vou ver PLAU, não tenho vontade de fazer mais nada. Nessas horas que tenho que me policiar ainda mais pra respirar fundo e voltar a resolver coisa por coisa com calma.
Sei lá, eu vivi tanta merda nesses 27 anos que parece que não construí nada. Teve namoro, casamento, divórcio, várias mulheres que ficaram 3 meses ao meu lado e caíram fora quando viram o tamanho do B.O., vários empregos em várias empresas e nenhum dando certo, tretas familiares de monte, amigos que sumiram e outros que duraram só uma noite mesmo, amigos que suportaram várias merdas e ainda tão do meu lado, vibe saudável de correr 12km por dia e comer salada em todas as refeições, vibe fudida de cachaça e balada 24h/7 dias por semana, foram muitas fases. Eu me reinventei trocentas vezes, tive quatro personalidades e mais várias outras máscaras, me perdi mil vezes e me achei outras cem, mas no fim das contas tô aqui, vivo.
Hoje me olho no espelho e vejo que estou ficando careca e barrigudo. Os poucos cabelos que estão restando na cabeça, estão ficando brancos. Meu rosto está um caco por causa das noitadas de farra em que eu não dormia. Na hora a gente acha que não vai dar nada, que vai ter sempre 18 anos, mas os anos passam e a vida cobra. Hoje me olho no espelho e me vejo fisicamente em decadência. Mas não abaixo a cabeça ainda. Querendo ou não eu tô numa idade boa, tenho tempo pra caralho pela frente, posso ainda fazer várias coisas. Nunca é tarde pra querer dar a volta por cima, e, porque não, querer se reinventar pela milésima vez. Porque bom, eu sei que jogar tudo pro alto não vai resolver porra nenhuma. Desistir eu já desisti outras vezes e tive só derrotas como consequências. Então, de duas uma: ou eu aprendo a lidar com a minha idade avançando, ou eu fico infeliz e foda-se.
Outro dia eu olhei pro céu, era noite. Tinham várias estrelas brilhando, algumas com um brilho mais intenso, mais dedicadas, mais radiantes, e elas pareciam estar interligadas numa sintonia perfeita. Outras já se apagando como se estivessem morrendo, como se estivessem ali por pura obrigação do tipo "Beleza, eu tô aqui mas não quero estar aqui.", como se não houvesse ritmo ou clima para a existência delas. Adivinha quais delas me fascinou mais? Exatamente isso, garoto esperto. Eu não quero ser uma estrela apagada, muito menos decadente. Eu quero emitir luz, quero ter uma aura, uma vida, quero ser motivação pra quem tá querendo desistir, pra quem tá no buraco em que eu já estive. Outro dia ouvi um amigo dizer que chegar no fundo do poço é suave, dá pra chegar lá e ficar de boa, curtir mesmo o buraco, o problema é quando cê joga terra em cima. Aí meu amigo, fudeu. Fudeu porque com a terra em cima, você não consegue enxergar as estrelas. E sem as estrelas, nada te motiva a querer sair do fundo do poço. Sei que cada um tem a sua história, mas nossos sofrimentos se assemelham nos motivos em pelo menos 90% das vezes. E nesse dia, olhando pro céu eu pensei nisso. E me senti orgulhoso e feliz por estar chegando aos 28 ainda com ânimo, motivado e disposto a acordar cedo com um sorriso no rosto pra dar "Bom dia" pras pessoas que estão a minha volta. Mesmo que muitos dias falte gás, ao menos eu tô tentando, porra. E não deixar de tentar é o básico para conquistar as coisas.
submitted by lucius1309 to brasil [link] [comments]


2017.12.30 02:55 lucius1309 Estrelas

Eu tô ficando velho, caralho. E isso não é papo de adolescente que se sente super maduro, ou de pseudo adulto que se acha super responsável por pagar meia dúzia de boletos, ou se acha caseiro por ficar assistindo Netflix em casa ao invés de ir pra balada. Não é isso.
Eu tô hoje com meus 27 anos, é uma idade icônica, vários famosos do mundo da música morreram nessa idade, eu achava que ia morrer também, mas então resolvi parar de pegar REALMENTE pesado com a minha vida, e tendo isso em vista, a não ser que eu seja atropelado por um caminhão ou um ônibus, ou que leve um tiro numa tentativa de assalto, ou caia da varanda do décimo terceiro andar de um prédio, a não ser que essas coisinhas aconteçam, eu vou viver mais um ano. E talvez mais dez, ou mais cinquenta. Não sei. E não acho ruim.
Não me acho necessariamente velho no RG, acho que tô numa idade bacana, até porque dizem que o auge do homem é entre os 30-40 anos, se for pensar assim eu ainda nem cheguei no auge, mas sei lá, eu me sinto cansado. Tipo, mentalmente cansado. Parece que todos meus problemas foram acumulando da infância pra cá e agora eu tô com esse monte de troço pra resolver, e só agora com 27 que peguei pra começar a resolver. Mas é que nem jogar tetris já com o muro lá no alto: cê resolve uma linha, mas tem uma par ainda pra limpar, e os blocos continuam caindo sem parar, e tudo vai se acumulando, aí vem o desespero e eu começo a ficar ansioso e quando vou ver PLAU, não tenho vontade de fazer mais nada. Nessas horas que tenho que me policiar ainda mais pra respirar fundo e voltar a resolver coisa por coisa com calma.
Sei lá, eu vivi tanta merda nesses 27 anos que parece que não construí nada. Teve namoro, casamento, divórcio, várias mulheres que ficaram 3 meses ao meu lado e caíram fora quando viram o tamanho do B.O., vários empregos em várias empresas e nenhum dando certo, tretas familiares de monte, amigos que sumiram e outros que duraram só uma noite mesmo, amigos que suportaram várias merdas e ainda tão do meu lado, vibe saudável de correr 12km por dia e comer salada em todas as refeições, vibe fudida de cachaça e balada 24h/7 dias por semana, foram muitas fases. Eu me reinventei trocentas vezes, tive quatro personalidades e mais várias outras máscaras, me perdi mil vezes e me achei outras cem, mas no fim das contas tô aqui, vivo.
Hoje me olho no espelho e vejo que estou ficando careca e barrigudo. Os poucos cabelos que estão restando na cabeça, estão ficando brancos. Meu rosto está um caco por causa das noitadas de farra em que eu não dormia. Na hora a gente acha que não vai dar nada, que vai ter sempre 18 anos, mas os anos passam e a vida cobra. Hoje me olho no espelho e me vejo fisicamente em decadência. Mas não abaixo a cabeça ainda. Querendo ou não eu tô numa idade boa, tenho tempo pra caralho pela frente, posso ainda fazer várias coisas. Nunca é tarde pra querer dar a volta por cima, e, porque não, querer se reinventar pela milésima vez. Porque bom, eu sei que jogar tudo pro alto não vai resolver porra nenhuma. Desistir eu já desisti outras vezes e tive só derrotas como consequências. Então, de duas uma: ou eu aprendo a lidar com a minha idade avançando, ou eu fico infeliz e foda-se.
Outro dia eu olhei pro céu, era noite. Tinham várias estrelas brilhando, algumas com um brilho mais intenso, mais dedicadas, mais radiantes, e elas pareciam estar interligadas numa sintonia perfeita. Outras já se apagando como se estivessem morrendo, como se estivessem ali por pura obrigação do tipo "Beleza, eu tô aqui mas não quero estar aqui.", como se não houvesse ritmo ou clima para a existência delas. Adivinha quais delas me fascinou mais? Exatamente isso, garoto esperto. Eu não quero ser uma estrela apagada, muito menos decadente. Eu quero emitir luz, quero ter uma aura, uma vida, quero ser motivação pra quem tá querendo desistir, pra quem tá no buraco em que eu já estive. Outro dia ouvi um amigo dizer que chegar no fundo do poço é suave, dá pra chegar lá e ficar de boa, curtir mesmo o buraco, o problema é quando cê joga terra em cima. Aí meu amigo, fudeu. Fudeu porque com a terra em cima, você não consegue enxergar as estrelas. E sem as estrelas, nada te motiva a querer sair do fundo do poço. Sei que cada um tem a sua história, mas nossos sofrimentos se assemelham nos motivos em pelo menos 90% das vezes. E nesse dia, olhando pro céu eu pensei nisso. E me senti orgulhoso e feliz por estar chegando aos 28 ainda com ânimo, motivado e disposto a acordar cedo com um sorriso no rosto pra dar "Bom dia" pras pessoas que estão a minha volta. Mesmo que muitos dias falte gás, ao menos eu tô tentando, porra. E não deixar de tentar é o básico para conquistar as coisas.
submitted by lucius1309 to desabafos [link] [comments]